História

“Era uma vez...”, assim começam as mais belas histórias que um dia nos fizeram sonhar.

A história da União Filarmónica de A-Da-Gorda, tem fascinado gerações ao longo dos tempos, não só pelo facto de ser responsável pelo desenvolvimento desta pequena aldeia do oeste estremenho, mas também por ser de forma inequívoca “um sonho” tornado realidade.

Numa pequena aldeia do concelho de Óbidos, conhecida por lá existir uma estalagem propriedade de Vicência, “uma mulher a quem uma doença, tinha criado grande abundância de gorduras” e que levou a que quando se dirigiam àquela localidade falassem “na da gorda” (na terra da gorda). A estalagem fechou, a senhora morreu, mas ficou o nome: “A-Da-Gorda”.

Tinha o ano de 1949 apenas seis dias quando 19 músicos oriundos da Banda Filarmónica de Óbidos decidiram fundar uma banda que representasse a sua terra. Assim nasceu a União Filarmónica de A-Da-Gorda.

Deitaram mãos à obra e com algumas ajudas compraram instrumentos. Com a regência do seu primeiro maestro João Pereira da Costa começaram os ensaios e a formação de mais alguns músicos. A primeira actuação foi a 12 de junho de 1949, na localidade vizinha de Olho Marinho.

Foi madrinha da Banda a Sociedade Filarmónica União e Progresso de Abrigada, que testemunhou a alegria e orgulho de todos os Dagordenses por terem a sua banda. A partir dessa data, a Banda manteve-se activa até hoje sem qualquer interrupção, animando festas e outras iniciativas. Participou em numerosos festivais, encontros e intercâmbios com outras bandas.

Em 1997 a União Filarmónica de A-Da-Gorda participou na gravação de um trabalho discográfico comemorativo dos 850 anos da Vila de Óbidos. Em 2000 gravou o seu primeiro CD ao vivo na Casa da Música em Óbidos. Mais recentemente a Banda fez um intercâmbeo com a Filarmónica da Prainha ( Ilha do Pico, Açores ). Entre outros, passaram pela Banda alguns maestros de renome, oriundos na sua maioria de Bandas Militares, das quais salientamos Serafim Nunes Chamusca, que além de maestro foi também um grande compositor, deixando algumas obras escritas para a Banda; Manuel Pereira dos Santos, que se manteve ao serviço da Banda por mais de duas décadas, e ainda Joaquim Martins Flosa que também dirigiu a Banda mais de 10 anos.

Na regência também esteve José Carlos Reis, um nosso conterrâneo que também foi músico e que pela sua juventude e dinamismo foi marcante na sua passagem por cá. Esteve também à frente dos nossos destinos como maestro, de 1998 a inícios de 2002, João Paulo Fernandes, o mais jovem regente que até então havia passado pela Banda. Contando apenas 21 anos de idade, manifestou-se um jovem com muito talento e com o qual a UFA obteve bastantes êxitos. Ainda em 2002 a regência da Banda passou a estar ao cuidado do maestro António Simões Ribeiro, que sendo um homem detentor de um vasto currículo, e de grande conhecimento a nível musical, proporcionou mais um momento áureo a esta Banda.

Desde Abril de 2003 a União Filarmónica de A-Da-Gorda encontra-se ao cuidado do maestro Fernando Manuel Pereira Lino, que com saber e muita vontade de levar o projecto em frente, tem dedicado muito do seu tempo a esta Banda.

Actualmente a UFA conta com cerca de 60 elementos, na sua maioria jovens oriundos da sua escola de música, que se mantém em funcionamento há já vários anos. Esta escola conta com 3 professores e cerca de 40 alunos. As aulas são gratuitas e estão abertas a quem gosta e quer aprender música. Com a mudança dos tempos, não é fácil prever o futuro de um projecto deste género, mas o passado e o presente são motivo de orgulho e razão suficiente para querermos um amanhã melhor.